A máquina de fazer água

A falta de água vem sendo um problema no dia-a-dia da humanidade, considerada a maior crise hídrica de todos os tempos. Caindo na realidade, se o ser humano não tomar uma atitude, logo a água irá acabar de vez e no fim vamos nos arrepender por não ter conseguido salvar algo tão precioso que nem todos conseguem reconhecer o quão é necessário.

Economizar água da forma mais simples possível, já é um grande passo. No começo do ano a Sabesp fez a linda ação de que se consumissemos 20% menos água, ganharíamos 30% de desconto na conta seguinte, a validade era pra setembro, mas foi estendido até o final do ano. Isto é, ainda dá tempo de economizar e ganhar, pois a situação pode piorar.

É aquela velha e real história de não demorar no banho, escovar os dentes e ensaboar a loça com a torneira desligada, lavar o quintal e calçada com um balde d’agua e não mangueira ligada, entre outros.

MAQUINA-AGUA-600x300

Por essas e outras, o engenheiro mecatronico Pedro Ricardo Paulino criou a Wateair, a máquina que produz água potável através do ar. Sim, é potável porém ainda válida a intenção.

É bem simples o processo, o sistema captura o ar que passa por um filtro bacteriológico fazendo a condensação da água. Depois caminha pelo sistema de filtragem e desinfecção primária, osmose reversa, e desinfecção secundária. Chegou no tanque de armazenagem, é finalizado no último setor de desinfecção e mineralização e logo após a água está pronta para o consumo. (veja a imagem com todos os passos abaixo) http://wateair.com.br/index.asp?InCdSecao=6

Para usufruir da Wateair, é preciso energia elétrica, e como a demanda não é muito alta ainda, o gasto de energia para produzir 1000L de água é aproximadamente R$ 170. A máquina que produz 30L custa em torno de R$7.000,00 enquanto a de 50 mil litros custa R$350.000,00.

A solução digamos que não é das mais baratas, devido aos gastos mas pode ser útil para aqueles que sofrem a crise.

Com ou sem a máquina, temos que ter um objetivo em prioridade: Conservação da agua como modo de vida.

Fonte: Folha de São Paulo